73ª SOEA – PALESTRAS MAGNAS

AGRONOMIA – CRISE E OPORTUNIDADES

 

width=571

“Quem foi contra a globalização se ferrou”. Com esta afirmação, proferida no início de sua palestra “Agronomia – Crise e Oportunidades”, a terceira do ciclo que abriu a 73ª SOEA – Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia, que acontece em Foz do Iguaçu até o dia 1º de setembro, o Eng. Agrônomo Xico Graziano (foto acima) resumiu sua opinião a respeito do estágio em que se encontra o setor agronômico no Brasil, em função do comportamento de seus atores. Francisco Graziano Neto é paulista de Araras, formado pela Esalq/USP em 1974, mestre em Economia Agrária pela USP (1977)  e doutor em Administração pela FGV (1989). Foi professor da Unesp/Jaboticabal (1976-92) e ocupou vários cargos públicos, com destaque para os de Secretário Estadual do Meio Ambiente (2007-2010), deputado federal pelo PSDB/SP (1998-2006), secretário estadual de Agricultura (1996-98), presidente do Incra (1995) e chefe do Gabinete Pessoal do Presidente Fernando Henrique Cardoso (1995). Escritor, publicou oito livros sobre os temas da questão agrária, agricultura, sustentabilidade e democracia. Articulista do jornal O Estado de S. Paulo, consultor em organização, marketing de agronegócios e sustentabilidade, é Professor de Pós-Graduação da FGV-Agroeresponsável pelo site Observador Político.

Segundo Graziano, a população mundial vem, ao longo da História, escapando de profecias que anunciam o colapso da civilização. O engenheiro agrônomo disse em sua palestra que ainda não passamos por desastres ecológico que pudessem colocar a humanidade em risco. Isso graças aos avanços ininterruptos da tecnologia. “Em 1802 Malthus previu a fome no mundo, defendendo que a população crescia em progressão geométrica, enquanto a população, em progressão aritmética. Pois ele errou, pois não imaginou o avanço tecnológico. Em 1950 os neomalthusianos recrudesceram, como em 1970, errando sempre. E hoje temos uma produção de alimentos acima das demandas do crescimento populacional” – lembrou o palestrante.

Graziano vai além, citando outra importante previsão (“furada, é claro”): em 1972, autoridades do MIT, uma das mais importantes instituições acadêmicas do mundo, associadas ao Clube de Roma, produziram um livro intitulado “Os Limites do Crescimento”, anunciando desastres ecológicos entre 2008 e 2012 e tal colapso não aconteceu. Por que? “Porque entre os profissionais da área se fortalece a crença no avanço da ciência e da tecnologia” – diz Graziano.

Mas há um problema: segundo o censo agropecuário de 2006, de 5,2 milhões de estabelecimentos do setor, 4,4 milhões consistiam em Unidades Produtivas, sendo que 500 mil delas eram responsáveis por 80% da produção nacional, e 27 mil produziam 51,2% do valor total dessa produção. O desequilíbrio entre grandes, médios e pequenos produtores é notório. O problema se agrava em termos sociais quando estatísticas demonstram que 2,5 milhões de agricultores podem não participar do tão almejado ciclo tecnológico. “Então – pergunta Graziano –, como promover o desenvolvimento dos pequenos agricultores”?

Pela terceira vez entre os palestrantes da SOEA, a opinião de que o Governo pode influenciar positivamente o processo prevaleceu. As soluções apontadas são assistência técnica, concessão de crédito rural, integração dos pequenos à cadeia produtiva, o cooperativismo (“quando vinga”) e outras medidas do gênero. Como levar o virtuosismo da tecnologia a todos? Graziano responde que só é possível “através de benefícios públicos”. As ações mais eficazes para o desenvolvimento dessa categoria produtiva estão, segundo Graziano, nos 3Es: Empreendedorismo, Educação Tecnológica e Emancipação Política.

O palestrante também mencionou a grave crise de gestão pública que assola o Brasil. “Os órgãos oficiais do setor são burocratizados e corruptos (aplausos da audiência)” – acusou o engenheiro agrônomo. “Precisamos parar de depender do serviço público. Os órgãos públicos precisam apresentar resultados, aproveitando o fato de que até os ambientalistas não estão tão pessimistas como antigamente”.      

FONTE: http://www.creasp.org.br/noticia/institucional/2016/08/31/73-soea-palestras-magnas/2198 

Conveniados

/  ResultadoResultado  /Resultado