BYD inaugura duas fábricas em Campinas de baterias e painéis fotovoltaicos

 

Agora, além dos ônibus elétricos, a empresa chinesa irá produzir outros componentes de geração e armazenamento de energia e de iluminação

BYD-onibus-eletrico-SP_G

O subsecretário de Energias Renováveis da Secretaria de Energia e Mineração de São Paulo, Antonio Celso de Abreu Junior, participou nesta quinta-feira, 6 de abril, em Campinas, da inauguração das fábricas de baterias recarregáveis, veículos elétricos, painéis solares fotovoltaicos, LED, sistemas de armazenamento de energia e TI, da BYD, gigante global especializada em energia limpa , a primeira no Brasil a oferecer ao mercado projetos de ecossistema zero.

Também estavam presentes, o prefeito de Campinas, Jonas Donizette, o presidente da BYD Brasil, Tyler Li, o diretor da Investe São Paulo, Ermínio Lucci, o técnico da Secretaria de Energia e Mineração para o setor de Renováveis, Paulo Sassi Junior, entre outras lideranças e autoridades.

A empresa, que é chinesa, planeja ampliar nos próximos dois anos o índice de nacionalização de seus produtos. A meta é passar dos 40% previstos até o final do ano, para 80% até 2019. Quer também incentivar a formação de uma rede de fornecedores locais e está buscando financiamento ao projeto junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e à Investe SP. São duas fábricas, que juntas, somam investimentos de R$ 400 milhões.

Antonio Celso disse que “A instalação de mais uma unidade de produção de produtos para a geração e consumo de energias renováveis, é fundamental para melhorar a matriz energética do de São Paulo, defendida pelo governo do Estado, através das ações da Secretaria de Energia e Mineração, no incentivo desse tipo de energia”, afirmou.

Uma unidade industrial, que recebeu investimento R$ 150 milhões, terá capacidade de produção de 200 megawatts em painéis solares e gerará 360 vagas de emprego diretas. Na primeira fase de operação, a BYD vai produzir módulos solares fotovoltaicos Double Glass, ou painéis de silício puro com vidro duplo, uma tecnologia inovadora que garante maior vida útil em torno de 40 anos, menor degradação (0,3% ano em comparação aos módulos convencionais 0,6%) e consequentemente mais geração de energia na vida útil dos painéis solares, entre outras vantagens. Os produtos já estão credenciados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na linha de financiamento de máquinas e equipamentos (Finame).

Essa unidade está no mesmo complexo industrial da linha de produção de chassis de ônibus elétrico, que foi inaugurada em 2015 e agora passa a ter produção nacionalizada – a capacidade instalada para a unidade com três turnos de operação é da ordem de 720 chassis/ano, com incremento crescente de conteúdo local.

A intenção da empresa é alcançar em 2019 um índice de conteúdo nacional de 80%, o que vai permitir que também os veículos da marca possam ser financiados pela Agência Especial de Financiamento Industrial (Finame). Segundo a empresa já são 12 ônibus elétricos da BYD circulam por Campinas, adquiridos pelas empresas de transportes locais. Esses veículos foram trazidos da China e montados na cidade com a estrutura que veio pronta e a parte interna finalizada aqui.

Os ônibus elétricos que serão produzidos na nova fábrica têm autonomia de 250 quilômetros, são mais confortáveis para o usuário e silenciosos, além de não poluir, segundo o fabricante. O modelo que circula em Campinas, é equipado com baterias de fosfato de ferro, leva 80 passageiros e gera uma economia de até 78% por quilômetro rodado, em relação a um veículo movido a diesel. O veículo já foi testado em Campinas, Sorocaba, Salvador e também no Aeroporto Internacional de Viracopos, no sistema de transporte interno de passageiros. Seu custo é o mesmo de um modelo a combustão ou chega a ser até 5% mais caro. O custo com a bateria é compensado com a redução nos gastos com abastecimento.

 

Fonte: Secretaria de Energia e Mineração 

Conveniados

/  ResultadoResultado  /Resultado