Preterir o Futuro: ATÉ QUANDO?